brenner bianco é músico desde os 11 anos, cantor, compositor, guitarrista, arranjador e produtor. 

Aos 17 anos foi estudar na prestigiada Berklee College of Music, considerada a primeira entre as 10 melhores faculdades de música do mundo, localizada em Boston – Massachusetts, Estados Unidos. Por lá também passaram o guitarrista Steve Vai, o produtor / arranjador Quincy Jones, o cantor/compositor/guitarrista John Mayer, dentre outros.

Quando brenner lançou “Temporais”, seu primeiro CD, duas músicas, “Sete e Meia” e “Estranho Cupido”, alcançaram o primeiro lugar nas rádios do interior de São Paulo, por atingirem o maior número de execuções documentadas oficialmente pela CBAB (Crowley Broadcast Analysis do Brasil), além de rankear nas rádios do Paraná, Rio Grande do Sul, Minas Gerais, Rio de Janeiro e Goiás, em uma época que só gravadoras tinham destaque em qualquer tipo de mídia. Isso fez dele o artista independente mais tocado do Brasil.



O clip de “Sete e Meia” foi filmado em preto e branco, cinema 16mm, em um beco no centro de São Paulo. O vídeo prima pela fotografia, usando ângulos não convencionais de dançarinos de street, malabares e personagens com feições marcantes, misturando realidade com poesia e fantasia, numa composição visual onírica de rara beleza, lhe rendendo destaque na Mtv e Multishow, ficando entre os dez vídeos mais tocados no programa Top TVZ.

brenner dedicou-se nos últimos anos à criação de músicas inéditas que trazem na letra a realidade que viveu e estudos de percepção musical, além de novas técnicas de guitarra e violão. Mais maduro, mais em contato com a sua essência musical, e principalmente sem a preocupação de se encaixar em moldes ou formatos antes forjados pelas gravadoras, ele mostra uma nova face.



Hoje, com o advento da internet, tudo mudou, o artista não precisa mais fazer politicagens ou concessões musicais que irão comprometer o estilo musical que concebeu para sua música, pois a relação artista e público é direta, não existem mais intermediários. Sendo assim, ele voltou à sua raiz sem medo de seguir seu instinto musical, que consiste em incorporar riffs de violão “fingerstyle” e solos de guitarra virtuosos em suas canções, justificados pela sua própria natureza de guitarrista, misturando com as melodias cativantes que a forte influência dos artistas do pop/rock inglês exerceu sobre ele, tais como The Beatles, James Taylor, Phil Collins, Elton John, Seal, Genesis, Duran Duran, Level 42, The Police, Sting, dentre outros.


Mais cru e visceral, brenner provoca toda a ânsia que temos dentro de nós, de colocarmos para fora e jogar de volta para o mundo, tudo aquilo que o mesmo nos fez engolir, como um desabafo aliviante, como se quiséssemos expor as vísceras da alma, sem deixar de lado os nossos sonhos.